TERCEIRO PASSO: COMO VIVER MELHOR OS MEUS ENCONTROS?

Este é o quarto artigo de uma série. Você pode escolher começar a leitura por aqui, deixando os anteriores para depois, sem qualquer prejuízo em termos de compreensão. Se preferir, contudo, ler na ordem que postei – tendo uma visão mais aprofundada –, encontrará o início desta jornada nos seguintes links:

  1. O Que Você Está se Perguntando?
  2. Como me Distinguir dos Outros?
  3. Quais São os Meus Pontos Fortes?

 

Se eu te perguntar: o que você quer da vida? Quais são os seus grandes objetivos? Pra que você faz tudo o que faz?

… Você já parou para pensar nisso?

Eu penso em muitas coisas. Estou sempre às voltas com algumas das Grandes Questões. Ainda assim, confesso, até bem pouco tempo atrás eu não faria ideia de como responder a essas perguntas, aí de cima.

Ok. E hoje?

… Hoje eu responderia que quero ser feliz e saudável. Simples, não?

Pois é… Por que florear? No final das contas, não é isso que todos nós queremos? Podemos encontrar inúmeros meios de alcançar esses objetivos: alguns dirão que querem ser ricos e famosos; outros preferem constituir uma linda família, enquanto outros ainda preferirão ter apenas o suficiente, em termos materiais, focando em questões mais espirituais, por exemplo.asia-1807519_1280

Todas as opções são válidas. Todas essas e as infinitas outras que conseguirmos pensar. E todas elas são caminhos que buscam o mesmo fim, sim?

… Todas as formas de crescimento almejadas visam que nos sintamos e sejamos cada vez mais felizes e saudáveis.

Simplificando ainda mais as coisas: queremos diminuir ao máximo as nossas dores e aumentar nossos prazeres (sejam eles físicos, intelectuais, emocionais e/ou espirituais). Queremos nos sentir bem. Queremos ser pessoas melhores. Queremos realizar todo o nosso potencial.

… Alguém discorda disso?

Então…

O que nós impede de chegar lá sempre que queremos?

 

Os Encontros

Nós não estamos sozinhos. Nunca estivemos, nunca estaremos. Mesmo que eu escolhesse deixar tudo para trás e viver isolado numa montanha, ainda assim, não estaria sozinho. Ainda assim, inúmeros encontros ocorreriam entre nós: entre o meu eu e o mundo.

Um encontro não se dá apenas entre duas pessoas – um encontro pode ser entre pessoas e coisas, pessoas e situações, coisas e coisas etc.. Um encontro é uma transformação. E nós, quer queiramos ou não, estamos sempre nos transformando. Em todos os instantes (tanto dentro – por exemplo, nas nossas células, nossas ideias, nossos sentimentos, nossas intenções –, quanto fora – no nosso visual, nos nossos comportamentos, nas nossas expressões e comunicações).

ball-2039726_1280Um vento gelado nos transforma. Um sorriso nos transforma. Uma palavra lida nos transforma. Tudo nos transforma, o tempo todo – por mais sutil que seja a transformação aparente.

… E, se não estamos nunca sozinhos; se estamos sempre sendo transformados – encontrando e sendo encontrados pelo mundo à nossa volta –, isso significa dizer que nossa busca por uma vida feliz e saudável é e sempre será impactada por esses encontros.

Ninguém tem um objetivo, vai lá, executa perfeitamente, fazendo tudo conforme o planejado e pronto: sucesso alcançado! Isso não existe. Existem variáveis que não conseguiremos prever. Existirão, sempre, circunstâncias que fugirão da nossa alçada. E tudo isso impactará na nossa busca por uma vida feliz e saudável (seja lá o que isso signifique pra você, aliás).

 

Responsabilidade

A diferença entre o que eu quero e o que eu consigo, efetivamente, é o pontapé inicial que desencadeia inúmeras formas de sofrimento (frustrações, lamentações, ansiedades, medos etc.). E isso, muitas vezes, acaba por nos aprisionar. Por nos fazer ficar parados, tentando entender o que deu errado; tentando encontrar meios de consertar as coisas, as situações, os encontros que tivemos – aquilo que tinha tudo para dar certo e não deu…

… E essa é uma escolha nossa.

Sim, uma escolha.

As dores são inevitáveis. Elas virão revestidas das mais distintas roupagens: uma topada na cama (quando eu esperava caminhar tranquilamente até o banheiro), um término de relação (quando rain-2279019_1280eu desejava viver o meu felizes para sempre), uma chuva torrencial (quando esqueci o guarda-chuva e estou indo para um compromisso importantíssimo)…

As dores acontecerão. Agora, o que você escolhe fazer com elas – como escolhe se sentir a partir desse encontro – é uma responsabilidade sua. Só sua.

… As dores são inevitáveis – mas o sofrimento é sempre opcional.

Por mais imprevisíveis que sejam os encontros que podem se dar, conosco; por mais gritante (e negativa) que seja a diferença entre as nossas expectativas e a realidade, a maneira como agiremos a partir disso é regida pela nossa vontade. Eis, para mim, o que significa livre-arbítrio. Eis o nosso grande poder: o poder das escolhas.

 

Como Agir

… E qual é o melhor modo para agirmos, então? Como evitar o sofrimento desnecessário?

Não existe uma única resposta certa, obviamente.

E é por isso que, quando me deparo com esse tipo de pergunta, recorro à Astrologia.

prague-1327856_1280(Não porque ela detenha respostas absolutas, que irão me servir de manual de instruções. A Astrologia não é isso. A Astrologia trabalha com um mapa energético. E um mapa é uma aproximação, uma maneira encontrada para descrever as nossas energias – ele não é e nunca pretendeu ser um resumo determinante das características de uma pessoa. Sempre teremos o poder das nossas escolhas para usar esse conhecimento, como bem quisermos).

Com base nos estudos astrológicos, nós podemos encontrar pistas de quem somos (em termos essenciais – o que nós torna únicos) e do que temos (nossos talentos, assim como nossas posses). E entender, igualmente, o que fazer com isso tudo; como lidar com esses encontros inevitáveis, utilizando-os para expressar nosso eu mais verdadeiro.

… Ou seja: qual é o tipo de energia que me permite extrair o melhor das coisas que acontecem comigo.

Para tanto, olhamos para a terceira Casa, no nosso Mapa Astral. Para o nosso Terceiro Campo de Experiência para Manifestação e Desenvolvimento do Eu.

 

3º Campo de Experiência

Basicamente, o início (a Cúspide) da terceira Casa está em um Signo Astrológico (Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário ou Peixes). E esse Signo representa o tipo de atitude mais inteligente para nos relacionarmos com o mundo.

… Por que eu disse mais inteligente?

Porque a inteligência a qual me refiro, aqui, diz respeito ao nosso processo intelectual. Tem a ver com a nossa capacidade de fazer associações entre coisas, eventos, encontros. É a nossa habilidade em conseguir criar uma sequência coerente e significativa. É o modo como conseguimos explicar, para nós mesmos, os acontecimentos, as nossas vivências e percepções.

… Por exemplo: o início da minha terceira Casa aponta para o Signo de Sagitário.

Eis uma energia que emprega uma forma mais abstrata de pensar, buscando descobrir conexões maiores entre as coisas, os fatos. Eis, por exemplo, o movimento que fazem os filósofos, os estudiosos acadêmicos e os professores (falando em termos simbólicos): eles procuram ter uma visão ampla de determinado assunto; enxergam inúmeras conexões ali dentro, entre as partes envolvidas; desenham uma teoria (ou método) que explique essas ligações todas, e, então, repassam esse conhecimento para outros interessados.

… Eu preciso dizer o quanto isso funciona (e faz sentido) para mim ou escrever este artigo basta?

Agora, como eu sempre digo: isso é o que funciona para mim. Você pode ter, por exemplo, Sagitário despontando na terceira casa também (ou qualquer um dos outros onze Signos) e encontrar outras maneiras, completamente diferentes, para manifestar isso. O movimento energético e o processo associativo, lá no fundo, serão similares – mas a ação tomada será aquela mais coerente com as suas escolhas, o seu propósito.

… E aí? Qual é a sua maneira de lidar com esses encontros todos com o mundo?

Pense nisso…

E, qualquer coisa, estou por aqui.

 

Lucas M Esher

 

P.S.: que tal a gente marcar um bate-papo descontraído para entender um pouco mais sobre você e o seu Mapa Astral? Manda uma mensagem para mim por aqui.

 

 

 

 

Deixe uma resposta